Minhas boas leituras de 2012

Este foi um ano de leitura intensa em grande parte devido à publicação do meu primeiro livro “Vire o Jogo com Spring Framework”. Nada mais natural que a maior parte do que li tenha sido sobre Spring (inclusive postei parte da bibliografia neste blog, que pode ser acessada aqui). Mas não precisa pular este post pois este não é mais um sobre o meu livro, mas sim sobre as leituras que não estão diretamente relacionadas a este. Segue abaixo a lista dos livros que mais me influenciaram neste ano.

The Mythical Man Month – Fred Brooks

A pergunta que fica após seu término é: “por que as pessoas não lêem isto?”. Este livro é o resultado das experiências de Fred Brooks enquanto gerente do projeto System/360 da IBM, que provávelmente foi o maior projeto de TI da história, e um dos responsáveis diretos por tudo o que temos em computação hoje. É neste livro que ficam provados pontos importantes no mercado de software como a inexistência de uma bala de prata (agregado na segunda edição do livro) e o fato de que adicionar mais mão de obra em um projeto apenas o atrasa.

É leitura obrigatória para todos nós que trabalhamos com desenvolvimento e evolução de sistemas. Fica nítido durante sua leitura que a maior parte dos argumentos tidos como “bom senso” em projetos de software são na realidade falácias horríveis. Se você for da área técnica, leia este livro para ter argumentos contra este tipo de armadilha. Se for gerente, leia-o para não fazer papel de bobo diante da sua equipe.

Beautifull Architecture – Diomidis Spinellis e Georgios Gousios

Este livro da O’Reilly, que segue a mesma linha do “Beautifull Code” foi um achado. É composto por uma série de capítulos nos quais cada um ilustra uma solução arquitetônica adotada em projetos muito variados, que vão desde sistemas para gerenciamento de fotografias até sistemas complexos como por exemplo o XEN, passando por softwares muito populares como o Emacs. É fascinante conhecer como estes projetos são organizados.

Foi uma fonte de inspiração tremenda em diversos sistemas nos quais atuei. Se você estiver perdido em um projeto novo, tenha este livro como uma possível bóia salva-vidas. Uma leitura rápida por seus capítulos com certeza lhe trará idéias e insights para o seu trabalho.

Se você não faz a menor idéia a respeito do que venha a ser arquitetura de sistemas, recomendo a leitura da sua primeira parte. É uma descrição muito interessante e leve sobre o assunto.

Moby Dick – Herman Melville

Foi o romance do ano! Comecei a sua leitura sem esperar muito: o  fato de serem dois volumes já se mostrou um desafio inicial, mas conforme ia me afogando na descrição que Melville faz da vida dos pescadores comecei a temer o fim das páginas.

Descrições muito longas e detalhadas: sendo assim, se não for este o seu tipo de leitura você com certeza odiará cada palavra. Agora, se não for o caso, muito provávelmente estou falando aqui de uma das melhores leituras da sua vida. Havia momentos em que eu literalmente sentia o cheiro do mar e as ondas chocando-se contras as paredes da minha cobertura. Fantástico!

Ao que tudo indica todo ano há um romance que guia minha vida e este foi o da vez. Minha “Moby” se chamava “Spring”. Vai de ônibus para um trabalho chato? Esta é A leitura!

Assédio Moral no Ambiente de Trabalho e a Política Empresarial de Metas – Rafael Moral Carvalho Pinto

Ano passado li um livro fascinante chamado “Mal Estar no Trabalho – Redefinindo o Assédio Moral”, de Marie-France Hirigoyen. No caso, havia sido uma indicação do próprio Rafael, que na época estava trabalhando em sua dissertação de mestrado, que mais tarde foi publicada como livro pela editora RTM. Digo com muita segurança que foi a leitura que me causou maior impacto em 2012. É um assunto que infelizmente não faz parte do nosso dia a dia por ser de ordem jurídica mas que, ao menos na minha opinião, deveria estar na pauta de todos os interessados na criação de um ambiente de trabalho produtivo e eficiente.

Rafael – que é sócio da minha esposa Nanna – trata aqui da questão das metas e o modo como estas acabam por gerar um ambiente dentro das empresas que propicia a ocorrência do assédio moral. Após sua leitura fica bastante claro que o assédio moral infelizmente é muito mais próximo de nós do que imaginamos.

Dos livros que citei é o único cujo acesso você pode ter agora. A dissertação de mestrado que deu origem ao livro pode ser lida neste link. E a palestra de lançamento você pode ver abaixo:

Acho este assunto tão importante que consegui convencer o Rafael a postar neste blog em 2013 um artigo sobre este assunto voltado para a nossa área. Legal né?

Concluindo

Li pouca coisa que não fosse sobre Spring neste ano, e provávelmente a mesma coisa ocorrerá em 2013 também (Grails agora, e talvez um outro assunto aí ;) ). O importante é que tenhamos leituras que estejam fora do nosso escopo direto de trabalho. São estas atividades que nos ajudam a ficar menos bitolados e assim nos tornar pessoas melhores.

Feliz 2013 para todos vocês! Muita novidade boa está por vir por aí e todas serão compartilhadas com vocês.

9 thoughts on “Minhas boas leituras de 2012

  1. Tenho o Moby Dick em casa e nunca dei muita atenção… poxa, depois que me mudei pro Rio e comecei a pegar bus pro trabalho direto – pelo menos 1h por trajeto – estou lendo freneticamente. Na minha mochila, agora, está “As pontes de Königsberg”

    Responda

    Kico (Henrique Lobo Weissmann) Reply:

    Oi Lucas, Moby Dick impressiona viu. Muito bom!
    Recomendo d+!

    Responda

  2. oi Lobo

    Excelentes leituras. Eu li o Moby Dick no final do ano passado. Precisei de quase 3 meses… mas infelizmente nao gostei tanto…. achei lento demais. Claro, tem passagens lindas e marcantes… mas a baleia aparecer so nos ultimos 3 capitulos me fez “perder a cabeca” como o Ahab :)

    abracos

    Responda

    Kico (Henrique Lobo Weissmann) Reply:

    Oi Paulo, Moby Dick é o mais controverso.
    Ao que tudo indica, eu faço parte de uma minoria que ficou babando nele da primeira à última página. :)

    Sabe, a estratégia de só mostrar a baleia no final é muito usada no cinema de terror hoje. É o terror pela ausência.
    E sabe um trem massa que tem no Moby Dick? Foi o único livro que já li que começa com um “trailer”. Repara nas primeiras páginas. :)

    Responda

  3. Olá Lobo.
    Acabei de conhecer seu blog. Acredito que vou andar muito por aqui nesses tempos.
    Esse ano além das leituras técnicas também li O Hobbit e Silmarillion. Indico fortemente.

    Att,

    Responda

    Kico (Henrique Lobo Weissmann) Reply:

    Oi João Lucas, legal que tenha gostado, valeu!
    Lembro de ter lido o Hobbit muitos anos atras e ter hostado bastante tambem. :)

    Responda

  4. BEAUTIFULL ARCHITECTURE e THE MYTHICAL MAN MONTH me deixaram com vontade de ler-los.

    Comprei o Clean Code do Uncle Bob e o DDD do Eric Evans mas ainda não consegui paz mental pra ler … hahaha

    Às vezes fico frustrado com isso.

    Responda

    Kico (Henrique Lobo Weissmann) Reply:

    Normal isto. Gostou do Clean Code?

    Responda

    Leandro Reply:

    Do pouco que li to gostando. Mal passei da introdução, mas a folheada que dei na livraria não deixou em pensar duas vezes pra comprar. Achei um excelente handbook pra treinar.

    Responda

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *