Minhas boas leituras de 2013

Assim como fiz em 2012 e 2011, chegou aquele momento do ano em que me lembro daquelas que foram as leituras que mais influenciaram meu ano.  Ao falar sobre suas boas leituras de 2013 Bill Gates diz que prefere não ficção por gostar de saber como o mundo funciona.  Acho que ele ainda não percebeu que a ficção nos mostra como o Homem funciona, então vou começar pela ficção.

(confesso que conforme o tempo passa começo a ter dificuldade na distinção entre ficção e não-ficção)

Talvez o mais profundo: “Why I Make Terrible Decisions, or, Poverty Thoughts” – Linda Tirado

linda-tirado

Linda Tirado – Killer Martinis

Foi o soco mais forte que levei este ano: Linda Tirado (conhecida na Internet como Killer Martinis) descreve como sua condição de pobreza influencia negativamente sua tomada de decisões.

É impressionante como um texto tão pequeno trouxe tanto material para conversas que venho tendo com alguns amigos a respeito. Mesmo com os rumores de que a autora não é tão pobre assim acredito que o texto continue válido mesmo se Linda for uma fraude. É uma leitura fragmentada, mas cujos fragmentos mostram particularidades muito profundas e que nos marcaram de forma cortante. Não vou negar: foi o texto responsável por umas três semanas de intensa melancolia. Então, se não estiver com estômago, sugiro que o ignore: é muito duro.

Quer experimentar? Aqui o link original. Dê atenção especial para os comentários e as respostas que Linda dá aos seus leitores (talvez sejam melhores que o próprio texto). Ficção ou realidade? Decida você.

Tokyo Proibida – Jake Andelstein

tokyo_proibidaSe Linda Tirado me trouxe depressão, Andelstein me divertiu, e MUITO! O livro narra a trajetória profissional do autor como reporter policial no Japão. Devo dizer, é hilário e possuí a profundidade de uma poça (daquelas de uma gota só). O tipo de livro bacana de se ter no ônibus.

Yakuza, repórteres neuróticos, submundo e um monte de coisas dando certo a partir de um caos completo tendo o Japão como cenário. Você simplesmente não consegue largar e, quando acaba querendo ler uma continuação no próximo ônibus. É publicado no Brasil pela Companhia das Letras.

O Corvo e suas Traduções – org. Ivo Barroso

corvoNanna me deu este livro alguns anos atrás mas somente em 2013 pude lhe dar a devida atenção. Que leitura fantástica! Passear entre as diversas traduções do poema é uma aventura fascinante.

E atenção especial deve ser dada também a um ensaio chamado “A Filosofia da Composição” em que Poe fala a respeito deste seu poema. E aí vai ficar claro pra você por que tanta gente traduziu este poema, como Machado de Assis, Baudellaire, Mallarmé e tantos outros, incluindo os Simpsons. E esta leitura me levou a uma outra que foi a redescoberta do Arthur Lobo.

Seleta de Prosa e Verso – Arthur Lobo

arthur_loboMinha mãe e algumas tias avós (e minha avó) materna de vez em quando mencionavam um antepassado chamado Arthur Lobo como uma espécie de curiosidade histórica na família. Este ano resolvi tirar a limpo e foi uma descoberta incrível.

Ele ficou bem esquecido até o ano passado quando a Academia Brasileira de Letras publicou a sua “Seleta de Prosa e Verso” cujo pdf pode ser baixado gratuitamente neste link. Adorei! Dê atenção especial para o poema “A Múmia do Cacique”. Fascinante.

Infelizmente esta seleta não tem o texto que mais me marcou: “Lobisomem”, que li uma vez quando ainda era adolescente e cujo exemplar, se não me engano, ainda se encontra na casa da minha mãe. O surrupiarei em breve. :)

A Web Mobile – Sérgio Lopes

WebMobile-280_largeGostei tanto que até escrevi um review aqui a respeito. Já aviso, o título é enganador: não é “apenas” um livro sobre a web mobile, mas sim um verdadeiro upgrade de conhecimento sobre HTML/CSS/Javascript e coisas web.

Há também uma coleção que a Casa do Código vende que o inclui com outros dois: “Web Design Responsivo” e “HTML5 e CSS”. Vacilei: devia tê-la comprado. Da próxima vez fico mais esperto. Bom preço, grande valor.

Blueprints for High Availability – Evan Marcus e Hal Stern

Blue Prints of High Availability

Blue Prints of High Availability

Um livro de 2003 que se mantém atualíssimo. Pena que só o conheci este ano. Você aprenderá os aspectos econômicos, teóricos e práticos a respeito do assunto, e estará vacinado contra toda uma imensidão de bobagens que lemos por aqui quando o assunto é alta disponibilidade.

É uma leitura fascinante e que por fornecer uma boa fundamentação econômica e teórica difícilmente ficará desatualizado. Vale cada centavo. Me pergunto se os autores lançaram mais alguma coisa a respeito. A propósito, todos os textos que mencionei aqui no post “Dicas de leitura: alta disponibilidade” devem ser lidos com muita atenção por todos nós, então entram aqui na minha lista de boas leituras de 2013 também.

Erik Dietrich e seu “Expert Beginner”

Esta foi uma linda descoberta de final de ano. Primeiro topei com um post chamado “How Software Groups rot: Legacy of the Expert Beginner” em que é exposto como estes “tolos sabichões” acabam destruindo equipes de desenvolvimento. Fascinante a leitura, talvez pra mim mais ainda por ser alguém de outro país basicamente repetindo o que digo há um bom tempo por aqui. O texto no qual ele descreve o “Expert Beginner” também é excelente, uma boa leitura sem dúvida.

Dietrich criou um livro baseado nos posts do seu blog que estou pensando sériamente em comprar.

E você? Quais leituras fizeram seu ano?

Meu trabalho atual me focou bastante em assuntos relacionados a alta disponibilidade de aplicações, não é exagero dizer que este foi meu “ano da alta disponibilidade”. Já os textos de ficção tiveram um impacto bem mais profundo em mim. Há também uma grande quantidade de textos envolvendo Groovy e Grails que pretendo publicar em breve aqui em um post separado.

Houve releituras importantes: reli o Werther de Goethe pela milionésima vez. Visitei bastante meus amigos pré-socráticos (especialmente Parmênides) no início do ano e acabaram me incentivando a dedicar-me cada vez mais à escrita. E também preciso mencionar Platão, que está exercendo uma influência muito forte no meu próximo livro.

E você? Quem te influenciou este ano? O que mais gostou e odiou ler?

Update: 25/12/2013

Teve mais um livro que foi na realidade A leitura de 2013: “A Estrutura das Revoluções Científicas” de Thomas Kuhn. Escrevi um post a respeito que pode ser lido aqui.

2 thoughts on “Minhas boas leituras de 2013

  1. Pode pegar o livro de Arthur Lobo. È seu, você o merece.
    O livro que mais me impressionou neste ano : “A passagem tensa dos corpos” de Carlos Brito. Excelente, você precisa ler.

    Responda

    Kico (Henrique Lobo Weissmann) Reply:

    Opa, valeu mãe! :)

    Responda

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>