IBMS360-1

“Legado” é um termo maldito

O termo “legado”, quando aplicado a software sempre me incomodou: tanto que algum tempo atrás busquei uma melhor definição para esta palavra dentro do nosso contexto de TI. Hoje volto ao assunto para dizer que não uso mais a palavra “legado” com meus clientes e colegas e explico minhas razões.

O termo que todo mundo busca a definição (inclusive eu)

Fui um dos palestrantes da trilha de legados da QCon Rio 2015 e, para minha sorte (ou azar), fui o último a falar, o que me permitiu assistir a todas as apresentações sobre o assunto. O que achei interessante é que quase todos (inclusive eu) apresentaram seu próprio conceito de legado.

(e neste texto ainda apresento mais definições sobre legado, o que mostra ser um fenômeno global, e não uma particularidade daquele evento)

Claramente há algo errado aqui: se dentro de um contexto bem definido (ou ao menos aparentemente) há tantas definições para uma mesma palavra, surgem duas possibilidades:

a) A palavra não possuí um significado real
b) Devíamos ou categorizar este termo ou mesmo buscar outras palavras

A  má impressão criada pela nossa indústria

Diversas vezes um cliente chega para nós pedindo que executemos manutenções ou evolução em seus sistemas com frases do tipo: “temos este sistema legado, que me disseram ser velho e ultrapassado, mas não tenho dinheiro para reescrever do zero”.

Lendo o código fonte observo que foram usadas tecnologias como Spring BootGrailsPHP, JavaScript, JSF ou qualquer outra que é ativamente desenvolvida hoje. Pior ainda: o sistema tem no máximo 5 anos de idade. Não poderia ser categorizado como “velho”, e levando-se em conta que normalmente está em uso, muito menos “ultrapassado” ou “obsoleto”, pois claramente está satisfazendo objetivos de negócio ali.

Fato é que muitas consultorias e profissionais normalmente ao invés de venderem a evolução do sistema preferem a reescrita por dizerem dar menos trabalho e sair mais barato (o que normalmente  é uma grande mentira e ainda escreverei sobre isto, mas enquanto isto, pode ler este excelente texto do Joel Spolsky).

A situação é ainda pior: já vi apresentações sobre “legados” na qual o palestrante usa o termo “evolução” e apresenta uma completa reescrita como resultado (atualmente uma das formas que esta reescrita vêm disfarçada é como micro-serviços).

Resultado: o termo “legado”, que deveria ter uma conotação positiva (conhecimento e experiência adquirida ao longo do tempo, conquista, satisfação por ter construído algo que é passado pra frente) passa a ser visto por muitos como um defeito.

(não creio que a maior parte dos profissionais e consultorias que vendam a reescrita imediata sejam mal intencionados. Na minha opinião o problema surge da nossa formação. Um dia ainda escreverei sobre isto)

Que termo uso agora

O mais óbvio e tedioso:  “software que você já tem” ou “software pré-existente” ou, ainda “software que não escrevi” ou algo similar pelas seguintes razões:

a) O cliente (que é quem realmente importa) entende o que estou dizendo imediatamente
b) Muitos clientes nunca ouviram o termo “legado”, o que evita a necessidade de explicar uma palavra que creio ser tão mal empregada em nosso idioma
c) Me fornece (e à indústria) um ponto inicial que possibilite uma melhor criação de sub-categorias que auxiliam na definição de estratégias

Sobre categorização

O termo “software que você já tem” é elementar: não consigo pensar em uma categoria superior a este (“software”, talvez :D) , mas consigo pensar em “tipos de software que você tem”. Segue uma pequena lista:

  • Aquele que temos o código fonte
  • Aquele que não temos o código fonte (sim, acontece e muito)
  • Aquele que é parte de sua infraestrutura (SGBD, Sistema Operacional, protocolos de rede)
  • Ou outra categorização qualquer que represente o nível de posse do cliente sobre um software

E esta categorização nos ajuda a pensar melhor o “seu software“. Ao analisar a situação do cliente (a mais importante), a comunicação fica mais simples e direta. É curioso que nas apresentações que vejo sobre legados só escuto sobre a primeira categoria: “aquele que temos o código fonte”. Aonde ele é executado? Como é o ambiente que o rodeia?

(é interessante notar que as pessoas confundem “legado” e refatoração, e esta é minha prinicpal crítica ao livro do Feathers – legado não é só o código)

A partir do momento em que um termo mais simples é usado na conversa, tudo flui, impressionante.

Minha antiga definição de “legado” não era uma definição

Ano passado busquei uma definição de legado e eis a que cheguei:

Sistema legado é aquele cujo controle foi perdido por seus principais stakeholders. – Definição Lobo Weissmanniana

Leia atentamente o que acabei de escrever: isto é uma definição? Hoje creio que não, pois não defini um termo, mas sim o problema fundamental do seu software.

O que é legado? Em português (e pensando no contexto brasileiro) é um termo que causa mais confusão que o necessário, haja visto os pontos que expus. Sendo assim, não irei mais me preocupar com a sua definição ou mesmo seu uso.

(ainda escrevo sobre um possível hype envolvendo este assunto (hype este que não se desenvolverá de forma saudável devido às falhas em nossa formação que comentei em parênteses anteriores))

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *